undefined
arrow_drop_down
arrow_drop_down
Adoção como aceitação.

Adoção como aceitação.

    Quantas vezes escutamos a frase “somos todos filhos de Deus” e quantas vezes paramos para refletir se ela é mesmo verdadeira?

     Quando alguém não aceita Deus como Pai, não quer dizer que ele se torna um órfão espiritual, pois ao utilizar o seu direito de escolha ele acaba definindo para si mesmo outra paternidade. Deus como um Pai em nossas vidas vem com a aceitação de que Ele antes apenas nosso criador, nos permite escolhê-lo por meio do amor através do sacrifício do seu filho que morreu na cruz por nós. A Bíblia nos ilustra com clareza em João 8:42-44 que não existe neutralidade, ou se é filho de Deus ou é filho do diabo, quando não aceitamos a adoção de Deus por meio de Cristo, continuamos com a velha natureza caída. 

 “Se Deus fosse o vosso Pai, certamente me amaríeis… Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai”. Quando João no capitulo oito afirma isso, ele deixa claro que se não aceitamos pelo amor a adoção de Deus, automaticamente passamos a ter um pai que não é Deus.      

             No primeiro capítulo de João entendemos que Jesus veio para os que eram seus e os seus não o quiseram, mas a todos que o aceitaram, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus. Foi decretado ali a condição para passarmos de criatura a filhos de Deus, que olhando para nossa natureza pervertida viu que estávamos longe do que Ele planejou. Decidido a nos redimir de nossa própria humanidade, Ele não faz isso através de imposição ou obrigação, mas decide permitir ao homem reconhecer e aceitar sua atitude através de uma escolha que é individual e intransferível. 

        Por mais que possa parecer confuso, ou até mesmo forte, não tínhamos essa chance antes dele resolver nos aceitar como filhos por meio de uma adoção que é resultado de uma aceitação bilateral. O homem ao nascer no pecado, não nasce filho de Deus, mas passa a ter uma nova natureza ao aceitá-lo como Pai, através do filho, se tornando também morada do Espírito Santo, este, que testifica ao nosso espírito que somos filhos de Deus, como explica Paulo em Romanos 8:16. Essa é a permissão divina para que por toda vida, possamos aceitar ser participantes do Reino de Deus, herdeiros com Cristo, como verdadeiros filhos. 

"Aquele que não está comigo, está contra mim; e aquele que comigo não ajunta, espalha”.  Mateus 12:30. 


Deus nos abençoe.


                                                                    Xandão Rodrigues